Aprendendo a se redescobrir

Escrito por: Fernanda Weber // 3 de abril de 2015


Amor próprio e auto conhecimento. Quando estamos perdidos, sem saber o que fazer na vida, cheios de decisões pra tomar, são essas duas coisinhas que são a verdadeira chave pra milhares de portas. Dá pra acreditar? Parece brincadeira mas, por exemplo, já parou pra pensar em como seu futuro profissional está ligado às suas paixões e consequentemente com o quanto você se conhece? Já imaginou o quanto sua desenvoltura numa entrevista de emprego pode ser diferente se você se conhecer e se amar mais? E não para por aí, não. Eu poderia listar mais um monte de assuntos que estão totalmente conectados com a sua relação consigo mesmo.

Afinal, em que parte do caminho nós nos perdemos? Por que se conhecer parece tão difícil? Por que sou tão insegura e ansiosa e o que amor próprio tem a ver com isso? Quero te contar que não temos uma resposta simples pra essas questões, porém, por mais complicado que pareça, não há nada mais satisfatório do que se conhecer e gostar de quem a gente é.


Fomos criados e acostumados, no geral, a cultuar belezas irreais e cultivar costumes que nem gostamos. Tô me referindo a mídia que nos bombardeia com visões totalmente distorcidas do que é belo, do nosso costume de julgar o outro pela aparência e sobre nos escondermos atrás de padrões pré-moldados. Tudo bem reconhecermos que fazemos parte disso, nós fomos criados assim e não é fácil se libertar. Mas a gente pode (e deve) procurar uma saída.

Muitas vezes desenvolvemos um "personagem" pra nós mesmos, com medo de não sermos aceitos ou de ficarmos sós. Tudo isso sem perceber! Parece loucura, mas se for parar pra pensar, sabe do que estou falando e vai reconhecer uma situação que retrata muito bem esse meu exemplo. O problema é justamente a união de toda a pressão que a sociedade em si deposita na gente + medo de não ser aceito + mídia que nos massacra com informações manipuladas: meu Deus, tô perdida!!!!!! Analisar tanta coisa faz nossa cabeça parecer um turbilhão e se descobrir... Impossível.

Cada um carrega uma bagagem e uma estrada cheia de altos e baixos que compõem sua história e personalidade. Todas as nossas experiências vêm carregadas de emoções que nos moldam com o passar do tempo. Foi assim que chegamos até aqui, do jeito que somos e estamos. Isso é incrível! O que falta é analisar esse amontoado de acontecimentos e reorganizar umas coisinhas dentro de si, pra viver uma vida mais leve, gostosa e bonita (tipo um painel do pinterest).

Gandhi - com toda a sua sabedoria memorável - disse: "A nossa grandeza reside não tanto em sermos capazes de refazer o mundo, mas em sermos capazes de refazermos a nós mesmos." O cara sabia do que tava falando, né? Com todas as nossas imperfeições, algumas vezes nem nos damos conta de que o mais difícil é mudar nossos conceitos e visões, por isso essa jornada é vista como tortuosa. Mas não desanima, não! É como quando precisamos dar uma faxina na casa: está tudo uma zona e dá aquele desânimo só de pensar em arrumar. Aí conforme vamos organizando, o processo se torna prazeroso, redescobrimos coisas que estavam perdidas, jogamos fora as inutilidades e abrimos espaço para novas coisas.

Sou a Fernanda Weber e, a partir de agora, estamos juntos nessa caminhada e vamos explorar paixões, dividir medos, sonhos e compartilhar perspectivas inusitadas no Além da Escrita, com posts como esse! Mas me conta, como é a sua relação consigo mesmo? Vamos papear! ♥

Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Menina do céu, você acabou de me definir. E, também, era exatamente nisso que estava pensando.
    Estou tentando me descobrir, descobrir o que eu gosto e o que eu quero, dando uma ignorada em tudo o que me foi imposto e tudo o que me disseram que eu podia ou não. Tá sendo bem estranho, mas é bem melhor do que ser um robozinho que faz tudo o que os outros mandam, que não pode mudar de opinião e que não pode demonstrar o que sente. Tô tentando me aceitar, mesmo que eu não goste de tudo em mim. Sinto como se fosse a unica maneira de começar a viver de verdade. :)

    A Canção do Silêncio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, adorei o post. Gostei muito da forma que você escreve e como abordou o tema. Ficou muito bom! Estarei acompanhando as próximas postagens. :3

      Excluir
    2. Oi, Bia!
      Que delícia saber que meu texto te tocou de alguma forma! No início é bem difícil ignorar o que os outros pensam e falam pra gente, porque de certa forma já estamos acostumados com isso, mas depois que descobrimos o quão libertador é viver sem se preocupar com essas coisas, tudo fica mais simples. Espero que os próximos posts te ajudem nessa fase de descobrimento e liberdade, um beijo! ♥

      Excluir
  2. Digitando com os pés porque com as mãos estão aplaudindo. Confesso que vim comentar antes mesmo de terminar de ler porque tá muito bom. Cheguei a pensar que tinha sido a Yas escrevendo SKAOPSKAPOSA. Parabéns Fê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hhahahahahah ah, que linda!! Obrigada, Carla! ♥

      Excluir
  3. Muito bom o seu texto Fernanda! Você definiu muito bem como esses padrões impostos pela mídia nos afetam e a importância de se conhecer e se gostar. Somos bombardeados de informações a todo o momento, temos que filtrar o que nos faz bem e saber descartar tudo aquilo que não é construtivo. :)

    http://colorindonuvens.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você curtiu o texto, Dai! E é exatamente isso, precisamos aprender a por limites pras informações e pro modo como elas nos afetam, afinal não podemos viver reféns de coisas que nos fazem mal. ♥

      Excluir

Opine sobre o post ou deixe algum recado pra gente. Sinta-se a vontade para sugerir ideias e críticas construtivas, nós sempre lemos a opinião de nossos leitores. :))

 
Design: Yasmin Carvalho. Programação: Yasmin Carvalho e Carol Mascarenhas
Além da Escrita 2012 - 2015. Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger